A deficiência de vitamina D é perigosa para diabéticos

Diabéticos com baixos níveis de vitamina D geralmente desenvolvem obstrução arterial, o que pode levar a doenças cardíacas, de acordo com um novo estudo publicado na revista Biological Chemistry por cientistas da Universidade de Washington School of Medicine, em St. Louis.

Segundo os pesquisadores, os vasos sanguíneos não entopem naqueles diabéticos que têm um nível suficiente de vitamina D. E, inversamente, em pacientes com um baixo nível dessa vitamina, as células imunes retêm o colesterol nos vasos sanguíneos localizados próximos ao coração, resultando em obstrução.

Mesmo antes, esses mesmos cientistas descobriram que a vitamina D desempenha um papel importante na doença cardíaca. O último estudo deu um passo adiante, afirmando que quando um certo tipo de vitamina D é baixa, os glóbulos brancos aderem às paredes dos vasos sanguíneos.

Juntamente com os macrófagos (um tipo de célula imunológica), a vitamina D limpa as artérias. Essas células imunológicas são glóbulos brancos chamados monócitos, que se movem e se espalham pelo sangue. Quando os monócitos se encontram com um foco de inflamação, eles se transformam em macrófagos.
Os pesquisadores estudaram os níveis de vitamina D em 43 pacientes com diabetes tipo 2 e 25 pessoas saudáveis ​​do mesmo sexo, compleição física e idade.

Verificou-se que em pacientes com diabetes mellitus com níveis insuficientes de vitamina D (menos de 30 nanogramas por mililitro de sangue), os macrófagos ficam mais freqüentemente presos às paredes dos vasos sanguíneos, o que, como você sabe, leva ao acúmulo de colesterol nas células. Com o tempo, as artérias endurecem e obstruem o movimento do sangue.

Os cientistas examinaram todos os fatores: pressão arterial, colesterol, controle do diabetes, peso corporal e raça. Mas apenas o teor de vitamina D influenciou se essas células aderiram ou não à parede do vaso sanguíneo.

No futuro, os cientistas esperam criar drogas, possivelmente até vitamina D, que ajudem a prevenir a deposição de colesterol nos vasos sanguíneos e reduzir a probabilidade de o paciente desenvolver aterosclerose ou outras complicações vasculares.