Baixa placentação durante a gravidez - o que isso significa? Qual é o perigo de baixa placentação para o bebê e gravidez?

Mesmo as mulheres emocionalmente mais equilibradas perdem um pouco a capacidade de raciocinar sensivelmente durante a gravidez - o contexto hormonal, que varia muito durante a gravidez, é “cuidado”.

O instinto materno deixa a mulher ansiosa por nenhuma razão aparente, e se o médico líder anuncia o diagnóstico de "baixa placentação durante a gravidez", algumas pessoas geralmente entram em pânico.

E completamente em vão: esta condição não se aplica a condições patológicas e pode mudar ao longo da gravidez.

Segundo a OMS, 99% das gestantes com baixa placentação, determinadas no meio (ou próximo ao final) da gestação, dão à luz com sucesso por conta própria. Mas em um por cento dos casos, essa condição é realmente perigosa. Como não entrar nesse grupo?

Baixa placentação durante a gravidez - o que é isso?

A placenta é uma espécie de "fortaleza" para a criança, que lhe proporciona máxima proteção física e imunológica, saciedade, saúde e pleno desenvolvimento. Formada na parede do útero, a placenta é uma parte espessa das membranas embrionárias e uma extensa rede de vasos sanguíneos.

O peso da placenta pode atingir um quilograma e meio. Como regra, é implantado no fundo do útero e começa a se desenvolver após a introdução de um óvulo fertilizado na parede uterina. Para fixar o ovo e a formação da placenta, seleciona-se a zona do melhor suprimento de sangue para o útero, mais freqüentemente ao lado do vaso sangüíneo na base do epitélio.

O final da formação da placenta ocorre em 12-16 semanas e está diretamente relacionado ao fim da toxicose de mulheres grávidas.

O apego da placenta às paredes ou ao fundo do útero é considerado normal se o local da criança estiver localizado a 5-6 centímetros do útero. No caso de baixa placentação durante a gravidez, a introdução do ovo cai perigosamente perto da faringe e pode causar complicações. O médico monitora a condição da placenta durante a gravidez, a fim de ver a apresentação a tempo, do qual depende o método de entrega.

Conforme a gravidez se desenvolve, o útero aumenta, enquanto o local de implantação permanece no lugar. É devido a um aumento no tecido uterino que a "placenta" migra mais da faringe interna, até uma distância normal de 5-6 centímetros.

Sintomas de baixa placentação

Uma placenta formada adequadamente, que não se sobreponha completamente à faringe uterina interna, pode não permitir que a gestante se conheça: baixa placentação durante a gravidez é freqüentemente notada apenas no último ultrassom.

Mas, em certos casos, a condição descrita leva à ameaça de aborto e aparece uma mulher grávida:

• spotting spotting;

• dor regular na parte inferior do abdômen e parte inferior das costas;

• hipóxia fetal;

• redução da pressão arterial da gestante.

Baixa placentação durante a gravidez: causas

Mulheres com a primeira gravidez praticamente não são encontradas com uma placenta baixa, uma vez que quanto mais mudanças ocorreram com a condição dos genitais, maior o risco de uma gravidez indesejável.

Até o final, as causas dessa condição não foram estudadas até hoje. A formação da placenta na região cervical é considerada por muitos como normal. Mas existem condições que contribuem para desvios da norma no desenvolvimento da placenta.

Causas de baixa placentação durante a gravidez:

• a idade de uma mulher grávida com mais de 30 anos;

• segundo ou mais nascimentos;

• separação manual da placenta em partos anteriores;

• processos distróficos e atróficos no endométrio - cicatrizes uterinas, lesão da mucosa endometrial após cesárea, aborto ou cauterização da erosão;

• imaturidade do blastocisto;

• características anatômicas estruturais dos órgãos reprodutivos (septo na cavidade, flexão, subdesenvolvimento uterino);

• patologia do córion viloso (mais freqüentemente em mulheres com função ovariana comprometida ou infantilismo genital) - a reestruturação endometrial não ocorre a tempo;

• anormalidades físicas congênitas ou adquiridas;

• patologia do colo uterino - endocervicite, erosão, insuficiência isocervical;

• processos inflamatórios nos órgãos pélvicos;

• neoplasias benignas, pólipos;

• Intervenções abortivas ou outras intervenções cirúrgicas no funcionamento dos órgãos reprodutivos;

• gravidez múltipla;

• doenças infecciosas;

• doenças crônicas (doenças cardiovasculares, renais e hepáticas, intoxicação), que provocam distúrbios circulatórios na área dos órgãos reprodutivos.

Separadamente, deve ser dito sobre neoplasias benignas. A probabilidade de baixa placentação durante a gravidez neste caso aumenta. Se o médico encontrou nos órgãos genitais pólipos, miomas e outras neoplasias durante o planejamento de sua gravidez, e sugere cirurgia, certamente é melhor concordar.

Endométrio danificado após a cirurgia e doenças inflamatórias no útero sugere que é aconselhável esperar pelo menos um ano com a gravidez.

O efeito da baixa placentação na gravidez, complicações

Quanto maior o feto se torna, mais ele pressiona a cavidade uterina. Os vasos da placenta são comprimidos, o fluxo de sangue no útero e a placenta é perturbada. Esses processos podem levar à hipóxia fetal (falta de oxigênio) e retardo do crescimento intra-uterino. Grávida neste momento experimenta fraqueza, pressão arterial baixa, anemia pode se desenvolver.

As consequências mais terríveis da baixa placentação durante a gravidez são muito menos comuns. Pode causar descolamento prematuro da placenta com suprimento sanguíneo prejudicado, que desenvolve hipóxia aguda e até mesmo morte fetal. Nesse caso, o sangramento força os médicos a realizar o parto cirúrgico.

Baixa placentação durante a gravidez: diagnóstico

No final do terceiro trimestre, o córion é transformado como resultado da gestação em uma placenta constituída de vasos sanguíneos. Este é o momento do primeiro exame de ultra-som, patologias genéticas do feto e malformações são reveladas. É um ultra-som que permite identificar com rapidez e segurança os problemas da placenta.

No primeiro exame de ultrassonografia em 12-16 semanas, 80% das mulheres grávidas são diagnosticadas com baixa placentação. Confirme o diagnóstico em 22-25 e 30-35 semanas. Normalmente, perto do final da gravidez, o lugar da criança é deslocado, e no momento do nascimento está em uma posição normal.

Se ocorrer sangramento e a ultra-sonografia não for possível, o colo do útero é examinado com a ajuda de espelhos para encontrar parte da placenta no canal cervical. O método é bastante perigoso e é usado apenas em casos extremos na presença de uma sala de cirurgia.

Baixa placentação durante a gravidez: o que fazer

A prática médica mostra que a grande maioria das gestantes com baixa placentação, inicialmente no final do período, chega ao parto com um estado normal do útero e da placenta. Isto é devido à constante modificação do segmento inferior do útero, que muitas vezes aumenta e aumenta o lugar da criança. Geralmente essas mulheres dão à luz por conta própria.

Apenas 5% das mulheres com tal diagnóstico têm preços baixos às 32 semanas de gestação. Na semana 37, apenas um terço dos restantes mantém esse estado. Até a data de nascimento, não mais de 1% das mulheres grávidas têm uma placenta localizada a menos de 2 centímetros da faringe interna do útero. Estas mulheres grávidas são diagnosticadas com placenta prévia e uma cesariana é realizada.

O risco de sangramento em partos naturais em mulheres grávidas, quando a placenta está localizada a mais de 2 centímetros da faringe interna do útero, não é maior do que com uma placenta normal.

Apesar de baixa precentração durante a gravidez não é uma condição patológica até 38 semanas, mulheres com este diagnóstico são recomendadas nos últimos estágios:

• ande menos, não negligencie o descanso;

• em posição supina, coloque as pernas em uma colina;

• Não se abaixe ou dobre;

• não perca os exames agendados por um médico líder, observe o cronograma de ultrassonografia e exames;

• monitorizar o corrimento vaginal.

Se o baixo-ventre começou a perturbar e aparecer, então você deve informar imediatamente ao médico se a gestante está no hospital, ou chamar uma ambulância e ir ao departamento de patologia de mulheres grávidas.

Posso voar em um avião em baixa placentação?

Se você precisar viajar, mulheres grávidas com essa condição têm fortes medos, especialmente se você precisar voar em um avião, onde há fortes mudanças na pressão e sobrecarga. A consulta de um médico é obrigatória, e se ele der o sinal verde para um voo em baixa placentação, então você pode ir em segurança em uma viagem. Por via de regra, quase nada se proíbe a uma mulher até o meio da sua gravidez, por isso, até 20 semanas não há risco de erro ou hemorragia. Naturalmente, quanto menor o vôo, melhor, e você não deve levar bagagem pesada consigo.

Baixa placentação durante a gravidez: o que não pode ser feito

Seguindo algumas regras de comportamento, uma gestante pode reduzir a zero o risco de complicações com baixa placentação.

Esses requisitos incluem:

1. Minimização da atividade física: corrida, caminhada rápida, esportes ativos e vida sexual - é melhor abster-se disso.

2. Eliminação de movimentos bruscos e vibração - dirija menos em qualquer meio de transporte (especialmente em público).

3. Tomar medicamentos prescritos pelo seu médico.

4. Observação de corrimento vaginal, e em caso de sangramento, imediatamente tome uma posição horizontal e chame uma ambulância (a velocidade dessas ações afeta o resultado da gravidez e a preservação da vida fetal).

Baixa placentação

O método de entrega neste caso só é escolhido pelo doutor. Ele pode decidir perfurar o óvulo fetal, depois a placenta será fixada pela cabeça do feto. Esses partos são mais frequentemente realizados em salas de cirurgia para se ter uma cesariana se o feto estiver na posição errada para o parto (pernas para a frente).

A baixa placentação durante a gravidez, em 37-38 semanas, obriga os médicos a recomendar a internação de uma mulher no departamento de patologia de gestantes, onde ela estará sob constante supervisão.

No momento do nascimento, a placenta pode "mover-se" para uma distância aceitável - então o nascimento natural é possível.

No entanto, durante o parto, os músculos uterinos se contraem e diminuem de volume, enquanto a placenta permanece com o tamanho original.

Como resultado, os vasos sangüíneos que conectam a placenta baixa às paredes do útero estão muito tensos, até mesmo a ruptura e o descolamento prematuro da placenta é possível.

O feto não receberá oxigênio suficiente e o cérebro pode ser danificado.

Para evitar tais complicações, os médicos decidem fazer uma cesariana se a situação com baixa placentação não mudar em 38 semanas.